O Ensino, independentemente de ser transmitido em escola pública ou privada, contém muitos erros. Segundo Nietzsche o maior deles é o fato de ser obrigatório para todos. Não por acreditar que a educação deveria ser procurada por aqueles que tivessem interesse, como o filósofo alemão sugere, mas por causa do sistema. Mesmo assim, o interesse no estudo tem que primeiro ser despertado. Para isso é necessário conhecer as áreas basicamente para só assim escolher. Mesmo que muitas crianças e adolescentes não se conformem em aprender certas coisas, como ciclo reprodutivo das árvores em biologia, certamente se não aprendessem, perguntariam “Como assim uma árvore se reproduz com outra?”

Diante do mundo atual, onde a formação intelectual é tã valorizada, mesmo que o método de ensino no Brasil contenha erros, as Instituições Educacionais são um importante meio de formação dos cidadãos. Aprendem a conviver em sociedade, trabalhar em equipe, mesmo que não saiam do 3° ano do Ensino Médio semianalfabetos ou sem saber resolver uma equação do primeiro grau.

Cada pessoa tem um ritmo próprio de aprendizagem e às vezes facilidade em apender algumas coisas que não estão no ensino fundamental ou médio. Quando pais se deparam com o sofrimento do filho, também sofrem e podem propor ensino domiciliar. Existem outros fatores que levam os pais a tomar tal atitude, como religiosos, segurança, má qualidade, ou até mesmo querer impedir o convívio social do filho com crianças diferentes, que poderão influencia-lo a atitudes que os pais abominam.

Diante de tantos medos, os pais necessitam perceber o dano que causará aos filhos ao retirá-lo da escola, pois impedirão que sua liberdade seja exercida, e sua autonomia, ativada. É transformar os filhos em alienados por só transmitirem uma única visão de mundo: a que eles tem. É impedir que  social interfira no desenvolvimento do ser humano lhe dando visões e contato com o diferente, para que escolha que caminho seguir.

O ideal não é que os pais responsabilizem a escola da educação de seus filhos, nem vice-versa, e sim que haja um trabalho de ambas as partes, auxiliando o indivíduo em seu processo de autonomia.

 

Anúncios