A Iconoclastia, presente no século XX, foi o Pop Art. Vai além da quebra da arte, quebra a sociedade. Os artistas são observadores, saem desse mundo e o vê homogêneo. As megalópoles, de Tókio à São Paulo; os produtos vendidos; roupas; músicas; pessoas…Tudo igual. A diversidade de alimentos diminuiu, tudo à favor da monocultura, produzidos em um lugar só, consumidos em todos os lugares.

A causa dessa igualdade superficial é o consumismo. A sociedade que vivemos pertence à mídia e a publicidade, que ditam as regras, que mostram tudo unilateralmente. Há um tipo de mulher, um de homem; um sono a ser conquistado, poucas escolhas. Estereótipos.

Profissões e trabalhos desapareceram. Máquinas substituem os homens. O mundo é uma indústria de produção em série. E assim é desde a segunda revolução industrial, desde o American Way of Life: consumismo exacerbado. Banalização das coisas e pessoas, da própria vida…Tudo pela grande exposição. As pessoas transformadas em coisas, pois se parecem com objetos: são vendidas, usadas, jogadas fora.

E dessa forma é que os artistas, como Andy Wahol, que observavam a sociedade mergulhada em ideais consumistas, criticavam-na através do Pop Art, ironizando-os. A tela sobre óleo de Marilyn Monroe, representando-a repetidamente de forma superficial, a banaliza, tira dela toda a sua complexibilidade. Isso é o que a publicidade fezcom as pessoas, torna algo bom, comum, perdendo a identidade.

Para sair dessa igualdade, que permanece em 2011, onde não existe o “Eu”, temos que conhecer de tudo, sem preconceitos, e assim ter a LIBERDADE realmente de escolher, de se identificar com algo. Construir sua personalidade através da diferenciação exige tempo e paciência. Se não há disposição, continue sendo mais um entre as massas. Pois, o conhecer está próximo, temos a internet, tv, livros, filmes, pesquisas, dados; se não os explorar… Quem será você?

Há muitos mundos, onde podemos viajar, desfrutar como à uma fruta silvestre, viver sem haver reificação, naturalmente. Não somos coisas, somos seres humanos.

Anúncios