Título Original:  What Ever Happened to Baby Jane?

País:  EUA

Ano:  1962

Duração:  133 minutos

Gêneros:  Drama, Suspense, Terror

Direção:  Robert Aldrich

Roteiro:  Ernest Haller, Henry Farrell, Lukas Heller

Elenco:

Joan Crawford
Bette Davis
Robert Cornthwaite
Victor Buono
Anna Lee

Formato:  AVI

Tamanho: 705 MB

Legendado:  Português/BR

Sinopse:

Bette Davis é Jane Hudson, uma artista que alcançou a fama quando menina e ficou conhecida como “Baby Jane”. Agora envelhecida e distante do público há muitos anos, vive encerrada em uma mansão com sua irmã, Blanche Hudson (Joan Crawford) desde um acidente que selou a sorte de ambas, terminou a carreira brilhante de Blanche e acelerou a decadência geral de Jane. Disposta a brilhar nos palcos novamente, Jane volta à Baby Jane, passando por cima de tudo e de todos para atingir seu objetivo. A trama surpreende e mostra que, como sempre, as aparências enganam: afinal, o que terá acontecido a Baby Jane?

Download

Parte 1      Parte 2        Parte 3       Parte 4       Parte 5       Parte 6        Parte 7         Parte 8

Legenda

Comentário:

A história inicia com a cantora Baby Jane que estrelava com a ajuda de seu pai, o qual era sustentado à custa dela. Sua irmã Blanche era consolada por sua mãe e invejava Jane. Pode-se relacionar a história de Baby Jane a muitos casos de crianças famosas na vida real, que se tornaram alcoólatras ou drogados, é como se fosse uma tendência mesmo. A rivalidade por fora das câmeras entre Joan e Bette se transmitiu dentro da película, deixando mais real esse terror psicológico. Voltando ao filme, alguns anos se passam e a situação se inverte e, agora no cinema, Blanche se torna a estrela e Jane é considerada uma atriz medíocre. Nesse contexto, acontece um acidente de carro e Blanche se aleija. Passando um pouco mais o tempo, vivendo apenas do passado as irmãs Hudson passam por conflitos. O diretor a partir de então trata de nos angustiar com as crueldades de Jane e a incapacidade de Blanche se defender ou fugir devido a seu estado, na cadeira de rodas. O personagem Edwin Flaggs é importante, pois seus diálogos com sua mãe dá pistas, responde algumas perguntas que nos fazemos enquanto assistimos, é uma espécie de termômetro de entendimento. Vale-se destacar as grandes atuações de Bette Davis e Joan Crawford, que deram a veracidade e credibilidade ao roteiro impecável. É possível notar o paralelismo que Robert Aldrich estabeleceu entre o filme “Crepúsculo dos Deuses” e seu filme. Ambos contam a história de uma ex-estrela que não superou o fim da fama e adquiriu problemas psicológicos. Baby Jane de certa forma não envelheceu, se vestia com roupas remetendo a sua carreira quando criança assistia a suas performances, recordava suas fotos, cantava suas músicas. O recurso de mostrar a personagem em três fases da vida ajudou a concluir mais sobre a personalidade de Baby Jane, que é expressiva com seus sentimentos, mimada, arrogante. Por outro lado, Blanche Hudson é mais retraída, planeja friamente seus objetivos. Aldrich leva seu filme na história do cinema por ter feito tão originalmente um filme de terror psicológico surpreendente, dá pistas sutis só para os mais perspicazes suspeitarem. Hoje em dia esse tipo de terror está tão escasso, só criam filmes de terror com banho de sangue e tortura. Há um preconceito contra os filmes de terror por esse motivo, o conteúdo é muito pobre se for comparado a “Psicose” ou mesmo “O que terá acontecido a Baby Jane”, essa fórmula para clássicos talvez esteja ultrapassada, infelizmente.

http://www.imdb.com/title/tt0056687/